Seg - Qui 8:30 - 17:30 - Sex 8:30 - 17:00
(41) 2106-0010
R. Emanuel Kant 60 - sala 713 a 718

Capão Raso - Curitiba/PR

ANS: só vale mesmo aquilo que consta no rol de procedimentos?

A Resolução Normativa nº 262/2011, da Agência Nacional de Saúde
Suplementar, revê o rol de procedimentos e eventos em saúde, ampliando e
estabelecendo novas coberturas obrigatórias. Mas, será mesmo que somente estes
procedimentos e eventos têm cobertura obrigatória?

Entrou em vigor no dia primeiro deste mês a resolução normativa que atualizou o
Rol de Procedimentos e Eventos em saúde, com significativa ampliação na lista
obrigatória.

Em linhas gerais, a ANS melhora a relação entre beneficiários e as operadoras
de planos de saúde, tornando mais complexa a recusa de tratamento ao
especificar a obrigação de cobertura para os procedimentos e eventos listados.
Com isso também faz melhorar a relação hospital-paciente-operadora-responsável
pela internação.

O rol até então vigente foi ampliado em mais de 60 novos procedimentos, e entre
as principais novidades encontra-se a cobertura obrigatória para mais de 41
tipos de cirurgias com o emprego da técnica de videolaparoscopia, quando o
médico assistente optar por utilizar este meio em substituição ao modo
tradicional.

Sem sombra de dúvida, a inclusão de novos procedimentos e eventos no rol de
cobertura obrigatória facilita a vida do consumidor e deixa expresso aquilo que
não pode ser negado. E, se o paciente tem a vida facilitada, também o terá a
entidade de saúde que o assiste.

Entretanto, há de se dizer que o rol da ANS não é taxativo. Este – pela própria
essência do contrato de planos de saúde – somente pode ser exemplificativo.

O contrato de planos de assistência à saúde é um contrato aleatório, ou seja, é
um contrato causal, em que a contraprestação somente se efetivará em caso de
eventual fato ou ato que abale a saúde do contratante, que pode até passar uma
vida inteira sem necessitar receber quaisquer cuidados para o restabelecimento
de sua saúde, sem que o contrato esteja prejudicado.

O objeto do contrato é a garantia de que, caso o beneficiário venha a sofrer de
determinada doença, a contratada lá estará para garantir a cobertura do
tratamento de saúde necessário para o seu restabelecimento.

Assim, como o rol de procedimentos e eventos em saúde trata dos meios de
tratamento das doenças, nas palavras da própria ANS, o mesmo vem a ser apenas
referência básica para cobertura assistencial mínima.

Ora, se o objeto do contrato é a garantia de que, caso o contratante venha a
adoecer, a contratada colocará a sua disposição os meios adequados de
tratamento para combater a doença que lhe acomete, o que se pode contratar é o
tipo de doença que será coberta, nunca o meio de seu tratamento.

Esse é o entendimento do Superior Tribunal de Justiça, que concluiu o plano de saúde pode
estabelecer quais doenças terão cobertura de tratamento, mas não o tipo de
tratamento empregado para a tentativa de cura. Se a patologia está coberta não
é possível vedar o meio de tratamento.

Emblemática, neste sentido, a decisão dos autos do Recurso Especial nº
668.216/SP.

Desta feita, mesmo antes da vigência do atual rol de procedimentos não era
aceitável que as cirurgias por videolaparoscopia deixassem de ser cobertas,
quando o consumidor tinha a garantia de que a doença seria tratada. Seria um
absurdo se aceitasse que a doença seria tratada por meio de uma cirurgia
tradicional e, caso o médico assistente optasse pela técnica de vídeo, a
operadora de planos de saúde não teria a obrigação de custear o procedimento.
Isso porque a garantia é do tratamento da doença, bem como, porque a técnica
por vídeo, além de mais moderna, menos invasiva é também mais econômica.

Logo, louvável fiquem expressos em um rol a maioria dos procedimentos e eventos
à saúde, contudo, referido rol não pode e não deve servir de manto para as
operadoras de planos de saúde possam recusar tratamentos para doenças cobertas
pelo contrato, calcadas no fato que os tratamentos não constam no referido rol.
A título de exemplo, não é crível que seja contratada a garantia para
tratamento de doenças cardíacas e não seja coberto um tratamento para referidas
doenças porque o mesmo não consta do rol de procedimentos.

É importante frisar, assim, que no contrato somente podem ser estabelecidas as
doenças que darão direito à cobertura de tratamento e não o tipo de tratamento
que se dará para a tentativa de cura, pelo que, aso o médico assistente venha a
prescrever tratamento ou procedimento que não se encontra no rol elaborado pela
ANS, desde que este evento seja lícito e reconhecido, a priori, não poderá
haver negativa. Assim é que, caso haja negativa da operadora, de pronto, tanto
o paciente, quanto o seu responsável devem ser informados desta circunstância
para que possam buscar os seus direitos ou consentir com o tratamento de forma
clara e inequívoca, evitando-se, com esta ação, as diversas ações em que os
hospitais se vêem envolvidos como réus, quando os pacientes buscam a
responsabilização das operadoras pelo tratamento dispensado aos mesmos.

Elencar tipo de tratamento é abusivo e ilegal, portanto, passível de anulação
por decisão judicial, mas, toda cautela dos responsáveis pelo tratamento é
salutar, vez que, se o paciente ou seu responsável não forem previamente
informados de uma situação de negativa de cobertura, o hospital, mesmo
prestando o serviço, poderá ficar sem receber a contraprestação devida.

Posts recentes

Segurança de E-mail

SEGURANÇA DE E-MAIL Ao utilizar o e-mail corporativo devemos tomar alguns cuidados pois nem sempre os mecanismos de segurança tradicionais são suficientes para impedir incidentes na organização.

Leia mais »

Fale conosco

Surgiu alguma dúvida, fale conosco!