Seg - Qui 8:30 - 17:30 - Sex 8:30 - 17:00
(41) 2106-0010
R. Emanuel Kant 60 - sala 713 a 718

Capão Raso - Curitiba/PR

Beneficiários têm renda parecida em todo o País

Renda dos usuários de planos de saúde está crescendo em ritmo mais acelerado do que a mensalidade dos planos, segundo estudo do IESS.

Levantamento do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) revela que os rendimentos mensais da parcela da população que tem planos de saúde individuais varia de R$ 2.937, no Nordeste, a R$ 3.413, no Centro-Oeste, passando por R$ 3.032, no Sul, R$ 3.028, no Norte, e R$ 2.958, no Sudeste, respectivamente. Uma diferença de apenas 16,2% entre a região com a menor e a maior renda média, ainda que, no restante do País, existam significativas diferenças de custo de vida.

Ainda de acordo com a pesquisa, o rendimento de não beneficiários de planos de saúde varia de R$ 372, no Nordeste, a R$ 715, no Sul – uma diferença de 92,2%. Na região Centro-Oeste, entretanto, não foram considerados os dados do Distrito Federal, devido às características singulares dessa região de elevada renda per capita. A título de comparação, no Distrito Federal, um beneficiário de plano de saúde tem, em média, rendimentos de R$ 6.119, e um não beneficiário, de R$ 888. Todos os valores foram atualizados para dezembro de 2012.

Outros destaques do estudo são:

– Valor da mensalidade de planos individuais diminuiu, proporcionalmente, o comprometimento de renda dos beneficiários dessas categorias de contratos. Assim, o comprometimento da renda dedicado ao pagamento de planos de saúde caiu, em média, um ponto porcentual (p.p.), saindo de 9,6% para 8,6%.

– O rendimento mensal cresceu proporcionalmente mais para os beneficiários de 18 a 59 anos do que os custos dos planos. Por faixa etária, os beneficiários com idade entre 18 e 29 tiveram crescimento no valor médio reportado da mensalidade, ao longo dos anos, da ordem de 25,7%, enquanto o rendimento cresceu 39,5%. Com isso, a parcela do rendimento comprometida com o pagamento de plano de saúde individual recuou de 12,4% para 11,2%.

– No caso daqueles com idade de 30 a 39 anos, as mensalidades subiram 23,4%, enquanto o rendimento aumentou 31,7% e a participação do rendimento comprometido caiu de 8,2% para 7,7%. Já para quem possui de 40 a 49 anos, os planos subiram 29,7%, ao passo que o rendimento aumentou 43,7% e o comprometimento desse rendimento cedeu de 8,1% para 7,3%. Por fim, para aqueles com idade de 50 a 59, enquanto o valor reportado das mensalidades cresceu 27,1%, o rendimento aumentou 38,5% e a participação do rendimento destinado ao plano recuou de 8,3% para 7,7%.

– Beneficiários com 60 anos ou mais viram seu rendimento mensal crescer 34,5% enquanto o crescimento do valor da mensalidade do plano de saúde foi de 35,5%, o que fez aumentar em 0,1 p.p. o total da renda comprometida com a mensalidade, que agora é de 11,2%.

– O total de planos coletivos teve um impulso bastante superior ao de planos individuais, crescendo 70,2% no período, enquanto o número de planos individuais avançou 14,9%, atingindo 9 milhões de beneficiários.

– No período analisado, o rendimento dos não beneficiários aumentou, em média, 68,5%, enquanto o rendimento dos beneficiários avançou 40,7%, reduzindo a diferença salarial entre os dois grupos. Em 2003, um beneficiário de plano de saúde recebia, em média, 4,8 vezes mais do que um não beneficiário. Até 2008, esse número caiu para 4,1.

Fonte: Saúde Web

Posts recentes

Fale conosco

Surgiu alguma dúvida, fale conosco!